24 de março de 2013

Poesia: A nossa vida

Poesia Nossa Vida


Entre tambores, flores, festas e Orixás, enamorei o seu corpo com a minha retina! Na sua boca repousei a minha boca! Ah, quanta vontade desse repouso de lábios, do pouso sem limites do meu corpo sob o seu corpo e do enlace mais profícuo de nossas almas suplicantes! 

Assim começamos juntos a nossa vida! Abraçamos a felicidade, nos amamos o quanto o tempo permitia, nos prendemos mais nas dificuldades e fomos mais amigos nas tristezas. Assim nos fizemos mais homogêneos, mais parceiros e inseparáveis! 

Pelos anos afora fomos escrevendo a nossa história. História de felicidade que se sobrepõem as tristezas, história que se constrói abatendo junto às dificuldades, história que se fortalece pela proximidade e até pela ausência em que julguei erroneamente ser a certa medida!

Eu, você, a minha mulher, a minha amante, a minha amiga, a minha esposa, a minha flor, o meu jardim, o meu tudo, o meu nada... Você que é a minha confusão de sangue, a minha mistura de alma, o meu embaraço de mãos, o meu enlace e desenlace de pernas... A minha loucura de troca ardorosa de salivas, línguas e gozos! 

Quanto mais os ciclos se completam, mais podemos nos permitir viver novas histórias, novas alegrias, novas rusgas e novas tristezas! Já dizia Vinícius que “amor só é bom se doer”, então que doa, lateje, se aprofunde, mas que você permaneça ao meu lado para o momento intrínseco das pazes, do amor, do abraço e dos beijos que emolduram o fim das contendas! 

Que permaneçamos juntos! Meu coração escolheu você para a eternidade e sempre! O que seria da minha vida sem a sua vida? Que possamos juntos despertar pela manhã e começar a nos amar por um simples bom dia, com um simples beijo, um afago, e apertados abraços que a renova pra ser minha pelos restantes de nossos dias!!!