21 de abril de 2011

Poesia: A você, mulher

Poeta Tulio Rodrigues
Dou-lhe tudo que mais desejo e penso
pra fazer disso tudo mais intenso,
mostro-lhe como posso mais que tudo.
Se eu não pudesse tudo mais que posso
esse amor que não é meu, mas é nosso
desfalecia triste, frágil, mudo!...

Dar-me o seu corpo, a sua alma, o seu espinho...
É seu corpo o meu cais... Você, o meu ninho!
É você a minha eterna primavera;
a minha doce e única estação,
é minha musa, minha fixação,
é você a minha última quimera!

Entrega-me esse amor e esse desejo,
desenhe em mim seus lábios com um beijo,
deixa-me acariciar os seus cabelos...
Com você, nem eu ganho, nem eu perco,
pois, eu peço: - Prenda-me no seu cerco,
que eu lhe prendo sedenta nos meus pelos. -

Permita-me viver toda incerteza,
pois já não quero ter qualquer certeza
e quanto mais pareça ser incerto,
sei que de fato, a vida de repente
possa fazer de um ato inconsequente
um sentimento tão puro e tão certo!

Eu sei que possa parecer loucura,
mas é você o remédio, a minha cura,
a mais sublime, a minha eterna estrela...
Hoje, envolvido nesse sentimento
de loucura, amor luz e encantamento
faz-me pensar somente em poder tê-la!

Eu dedico a você, minha menina,
o meu amor sem preço e sem propina.
Eu dedicarei sempre o que quiser
com todo apreço e sem banalidade,
mas falando a você toda a verdade
é tudo pra você, oh doce mulher!

Tulio Rodrigues

Rio de Janeiro, 21 de abril de 2011.