18 de julho de 2010

Poesia: Embriagados de amor

Poeta Tulio Rodrigues



Depois da noite em que nós dois brigamos 
nem mais nos vimos, nunca mais ficamos, 
cada um seguiu distante para um lado. 
Na vida, nós seguimos muito além. 
Fiquei sabendo que você também 
foi novamente amada. Eu fui amado 

mas não da forma que você me amava. 
Às vezes, sem pesar, sempre falava 
que o amor era mais que uma virtude, 
muito mais que um singelo sentimento. 
Então, por um instante e um momento 
tentei amá-la mais forte que pude 

e também com a mesma intensidade 
dos tempos que havia felicidade, 
dos tempos que vivemos a sorrir. 
Mas hoje essa distância nos insiste 
em dizer que se alguém está tão triste 
pode ao menos tentar se redimir. 

Aí, tentei vencer o meu orgulho. 
Pus uns quatorze versos num embrulho 
mesmo sem ter mais nada pra dizer. 
Sei que de versos você estava farta, 
mas, por favor, aceite a minha carta, 
pois foi muito difícil escrever.

Depois nós dois nos vimos novamente, 
voltou aquela marca permanente 
que reportava toda nossa dor. 
Falou-me sobre todos os seus filhos, 
falou-me que seguiu por vários trilhos
e que não encontrara um novo amor. 

Ficamos nós dois tão emocionados 
ao lembrarmos que quando namorados
tínhamos um amor lindo... perfeito... 
Era amor sem medida, e sem razão, 
era amor que envolvia o coração, 
amor que não cabia nem no peito. 

Enfim, chegou mais perto, deu-me um beijo 
e meu corpo sentiu um forte desejo, 
e em seu corpo também tinha esta chama. 
Amamo-nos e fomos tão vorazes 
e, assim, foi que fizemos nós as pazes 
embriagados de amor em nossa cama. 

Publicado em meu primeiro livro solo "Ensaio Poético". Ed. Virtual Books - 2009